Publicações de Sebastião Nery

Folclore Político IV (1982)

FOLCLORE POLITICO – Volume IV (1982), Editora Record, Rio. São histórias dos políticos e da política brasileira. A metade vi, ouvi e sei que são verdadeiras. A outra metade me contaram, anotei e publiquei. Comecei a publicá-las em 1971, quando a censura era brutal e proibia falar dos cassados. Escrevendo todo dia, usava as historias para driblar a censura.

Folclore Político III (1978)

FOLCLORE POLITICO – Volume III (1978), Editora Record, Rio. São histórias dos políticos e da política brasileira. A metade vi, ouvi e sei que são verdadeiras. A outra metade me contaram, anotei e publiquei. Comecei a publicá-las em 1971, quando a censura era brutal e proibia falar dos cassados. Escrevendo todo dia, usava as historias para driblar a censura.

Folclore Político II (1976)

FOLCLORE POLITICO – Volume II (1976), Editora Record, Rio. São histórias dos políticos e da política brasileira. A metade vi, ouvi e sei que são verdadeiras. A outra metade me contaram, anotei e publiquei. Comecei a publicá-las em 1971, quando a censura era brutal e proibia falar dos cassados. Escrevendo todo dia, usava as historias para driblar a censura.

Folclore Político I (1973)

FOLCLORE POLITICO – Volume I (1973), Edição do POLITIKA, Rio. São histórias dos políticos e da política brasileira. A metade vi, ouvi e sei que são verdadeiras. A outra metade me contaram, anotei e publiquei. Comecei a publicá-las em 1971, quando a censura era brutal e proibia falar dos cassados. Escrevendo todo dia, usava as historias para driblar a censura.

Grandes pecados da imprensa (2000)

GRANDES PECADOS DA IMPRENSA (2000), Geração Editorial, São Paulo, SP. Uma velha divida que eu tinha com Ruy Barbosa e Juscelino Kubitschek, que sofreram campanhas massacrantes da imprensa e a história provou que a imprensa errou quase totalmente. E pus mais dois atuais: Orestes Quércia e Alceni Guerra, também injustamente denunciados, como a justiça provou depois.