Colunas

O ASFALTO E O CALÇAMENTO

  RIO – Uma tarde, tocou o telefone na liderança do governo na Câmara Federal. Era o presidente Juscelino. Pedia urgência urgentíssima na aprovação do crédito de 8 bilhões para o asfaltamento da estrada Rio-Bahia. Às 8 da noite, o líder Abelardo Jurema ligou para o Catete: – Crédito aprovado, presidente. Juscelino saiu do Planalto, foi jantar na casa do empresário mineiro Marco Pólo. E fez os maiores elogios a

LIÇÕES E SAUDADE DE JK

LIÇÕES E   RIO – Ninguém me contou, eu vi. Foi há muito tempo, na década de 50. Eu morava, estudava e trabalhava em Minas como jornalista político (“O Diário”, “DiáriodaTarde” e “Jornal do Povo”). Juscelino havia resistido ao golpe que levou Getúlio Vargas ao suicídio em 24 de agosto de 1954 e era candidato natural do PSD, do PTB e das esquerdas à Presidência da República, em 1955. Todos

O DISCURSO DE MARCITO

RIO – Desço no aeroporto de Portella de Sacavém, em Lisboa, em 1977. Passo no Hotel Phenix, deixo a mala, ligo para Marcio Moreira Alves, exilado lá. Atende outro: – Nery, aqui é o David. – David Lerer, o guerrilheiro africano? – Cheguei hoje de Angola. Quase fui fuzilado lá. E você? O que é que está fazendo aqui? – Passei uns meses na Espanha, cobrindo as eleições da Constituinte,

O JÂNIO DA VENEZUELA

RIO – Mais uma vez desci em Caracas em 1979. Na portaria do Centro Simón Bolivar o homem de radinho de pilha olha para mim irritado. Estava ouvindo seu futebol, como todo porteiro que se preza, seja paraibano ou venezuelano, e aparece um chato perguntando onde era o serviço de telex internacional. Sábado de tarde, fechado. E não podia fazer nada para ajudar-me porque todo mundo havia ido embora. – 

UM ABISMO GIGANTESCO

RIO – A vida pública deve ser exercida com vocação na convicção de ser um servidor do seu povo. Denegrir esse princípio no exercício da função publica é trair o sentido maior da representação popular. Arrivistas despreparados no exercício da administração pública, em todos os níveis, vêm invadindo a vida política brasileira com audácia incomum. O professor Jairo Nicolau, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, é autor de um

ELES FIZERAM O NOVO MUNDO

RIO – Reiner Maria Rilke, o poeta, tinha 21 anos, mas já sabia da vida e do mundo. Escreveu o “Diário de Florença”. Stendhal, o francês, em 1826 também viu: – “Florença, pavimentada com grandes blocos de pedra branca é talvez a cidade mais limpa do universo e certamente a mais elegante”. E Mary Mc Carthy a americana, em “As Pedras de Florença” diz: – “Os florentinos, inventaram a Renascença,

ASSIM SE MATA UM PRESIDENTE

RIO – Uma semana depois da posse de Jânio Quadros na presidência da Republica, em 1961, o jornalista Raul Ryff, secretário de imprensa do vice-presidente João Goulart, ligou para o jornalista José Aparecido, secretário particular de Jânio: – Aparecido, durante o governo do Juscelino, o Jango, como vice-presidente, sempre teve um avião da FAB à sua disposição. Agora, no governo do Jânio, o ministro Grum Moss, da Aeronáutica, tirou o

AS TRAGEDIAS DA NICARAGUA

  RIO – No muro velho, coberto de limo e furado de balas, a denúncia: “Os direitos humanos são três: ver, ouvir e calar”. Em outro muro, branco e limpo, a esperança: “Bolívar y Sandino, este es El Camino.” Nas vésperas de fugir, Somoza fez um apelo final ao embaixador norte-americano: “Não podemos entregar o país a nossos inimigos. Precisamos vencer nem que para isso seja preciso destruir a metade

O NÃO DE PETRONIO

  RIO – Nos primeiros dias depois do golpe militar de 1964, os governadores de todos os Estados (exceto Miguel Arraes e Seixas Dória, de Pernambuco e Sergipe, logo presos), vieram ao Rio para o beija-mão ao general Costa e Silva, chefe do tal “Comando Supremo da Revolução”. O encontro foi no Ministério da Guerra, no Rio. Magalhães Pinto, governador de Minas, ia apresentando um a um. Costa e Silva,

NA CROÁCIA DE TITO

RIO – Em julho de 1957, estava eu em Moscou, a imprensa internacional acordou com a manchete quente: “Tito e Bulganin encontram-se na fronteira da Rumânia”. Bulganin, um velhinho de barbicha branca e cara muito rosada, que poucos dias antes eu vira passeando só e calmamente nos jardins do Kremlin, era o então presidente da União Soviética. Aquele papo de fronteira significava o fim de dez anos de punhos cerrados